terça-feira, 5 de março de 2013

* EXPRESSO PAI DA AVIAÇÃO, TREM TURÍSTICO DA ONG MOVIMENTO NACIONAL AMIGOS DO TREM RECEBE IMPORTANTE APOIO.



E continua a luta dos voluntários da ONG Movimento Nacional Amigos do Trem para a implantação do Trem Turístico “Expresso Pai da Aviação”!
Nesta semana a entidade recebeu a visita do Vice-Prefeito de Juiz de Fora, Sergio Rodrigues, que foi conhecer de perto a bela Litorina, prontinha, prontinha para circular.
A lei de concessão de ferrovias no Pais é clara. O difícil é fazer as empresas que as exploram entenderem e respeitarem a Lei!
Mas creio que estamos todos cada vez mais próximos da realização do grande sonho da Amigos do Trem. Em breve os moradores de Juiz de Fora, Santos Dumont e região poderão usufruir de um belíssimo passeio de Litorina, valorizando a importância histórica da ferrovia para toda a nossa região, valorizando também o belíssimo acervo histórico do Museu Cabangú, em Santos Dumont, oferecendo uma importante e bela opção de turismo que sem dúvida trará grandes benefícios as duas cidades.
.
Uma bela imagem: Alunos do Instituto Federal de Educação de Santos Dumont com o Vice Prefeito de Juiz de Fora, Sérgio Rodrigues, no interior da Litorina. Ações como estas valorizam o trabalho dos voluntários da Amigos do Trem e comprovam a importância do trem de passageiros para Juiz de Fora e Zona da Mata Minera.

Aqui, Sérgio Rodrigues na cabine de condução da Litorina, com Ademir Monteiro, um dos 5 Maquinistas da "Amigos do Trem".
 .

Um comentário:

  1. “Existe um consenso entre a maioria dos gestores, da importância da redução dos objetos do mesmo gênero a um só tipo, unificando e simplificando sua execução”.
    A padronização é uma técnica que visa reduzir a variabilidade dos processos de trabalho, e consequentemente os custos, sem prejudicar sua flexibilidade e qualidade, destina-se a definir os produtos, os métodos para a produção, às maneiras de atestar sua conformidade, e que os mesmos atendem às necessidades dos clientes, de maneira mais simples, minimizando custos e as diversidades em todos os segmentos, inclusive os ferroviários.
    ”Trens regionais *pendulares de passageiros poderão trafegar nas futuras linhas segregadas exclusivas “ (Como acontece nas maiorias de cidades do mundo) trata-se de parâmetro básico fundamental, pois pela proposta, as mesmas composições atenderiam de imediato aos trens regionais planejados nas maiores cidades brasileiras ~150km/h utilizando alimentação elétrica existente em 3,0 kVcc, a curto prazo, já dando a diretriz quando fossem utilizadas nas futuras linhas exclusivas segregadas , aí utilizando a tensão e corrente elétrica de 25kVca, com velocidade máxima de 250 km/h, pois o fato de trens regionais de longas e curtas viagens serem de operações distintas não justifica que não tenham que se integrar e interpenetrar, pois seria uma insensatez.
    Para que isto seja possível, a largura padronizada das carruagens serão de ~3,15 m (Standard) e bitola em 1,6m.

    Notas:
    1ª Categoria de velocidade de até 250 km/h é considerada trem regional, *TAV é classificado com velocidade acima de 250 km/h baseado neste fato, podemos concluir que não existe *TAV nas Américas, e muitos que aparecem como exemplos de TAV como Acela, Alfa Pendular, Talgo, e principalmente a maioria dos de dois andares que são os mais indicados (double decker), são na realidade trens regionais.
    2ª Já faz algum tempo que se encontra em desenvolvimento no pelo mundo para trens TAV , inclusive no Brasil, (Maglev Cobra) o TAV, (acima de 250 km/h ), porém todos eles utilizando obrigatoriamente o sistema de levitação magnética, portanto corremos o risco de estarmos implantando com um alto custo utilizando uma tecnologia obsoleta.
    No metrô de São Paulo, foram especificadas linhas de metrô 4 e 5, utilizando bitolas e formas de alimentação elétricas divergentes das existentes 1,2 e 3, bloqueando as possibilidades de bifurcação e interpenetração em “Y” como acontece no Rio de Janeiro e na CPTM em São Paulo, entre outras inúmeras facilidades como o uso de composições comuns integradas.
    Custo total estimado para construção do TAV Rio de Janeiro – Campinas, e para outros projetos de infraestrutura de grande vulto e despesa efetivamente realizada em infraestrutura ferroviária e aeroportuária
    R$ bilhões
    1ª TAV (34,6)
    2ª Usina hidroelétrica de Belo Monte (19,0)
    3ª Usina hidroelétrica de Santo Antônio (8,8)
    4ª Usina hidroelétrica de Jirau (8,7)
    5ª Ferrovia Norte-Sul (6,5)
    6ª Ferrovia Transnordestina (5,4)
    7ª Integração do Rio São Francisco (4,5)
    8ª Invest. público e privado em ferrovias de 1999 a 2008 (16,6)
    9ª Invest. público em aeroportos de 1999 a 2008 (3,1)


    A maioria das grandes obras do PAC listadas acima, de porte menor que o TAV, e não menos importantes, principalmente as usinas hidroelétricas 2ª, 3ª e 4ª opção ( Que podem paralisar o país ) estão paralisadas ou imcompletas até hoje, por que da teimosia de insistir nesta, se temos opções melhores, mais rápidas e econômicas conforme demonstrado !!!
    Não faz sentido se preocupar com transferência de tecnologia ferroviária por uns poucos trens, temos provavelmente aqui instalada a maior quantidade de indústria automobilística multinacional do mundo, e não exigimos isto, a não ser que se queira criar a Ferrobrás, uma estatal com prazo curto para falir, muito diferente do acordo com a SAAB da Suécia com relação aos jatos Gripen, em que se formara uma “joint venture”, esta sim será uma próspera parceria.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...