domingo, 16 de janeiro de 2011

*REAÇÕES DA NATUREZA.


Há 33 anos pároco da igreja matriz de Santa Tereza, no centro de Teresópolis, Monsenhor Antônio Carlos Mota do Carmo procura transmitir a seus fiéis palavras de esperança e solidariedade nestes dias pós catástrofe. "As próprias vítimas comentam: ‘só Deus mesmo’. Nada que acontece de mau não tem um lado bom que possa ser valorizado", diz. A igreja ficou intacta, apesar das fortes chuvas que têm atingido a região.
Neste domingo, o monsenhor orou pelas vítimas da tragédia. Disse sentir a população muito chocada e muito aflita. "Há um luto geral", afirma. Porém, o pároco de 67 anos faz um alerta: "a natureza tem seus momentos de fúria, seus momentos de vingança, por ter sido agredida", pontua.
O religioso salienta que os fenômenos climáticos provocam maior desgraça devido à ocupação de locais onde antes a natureza era preservada, como encostas e margens de rios. Para o monsenhor, a responsabilidade pelo desastre não é apenas divina. "Às vezes, há falta de planejamento, de destinação correta das verbas. Há provocação devido ao egoísmo e à ganância, que impedem que os benefícios do progresso cheguem a todas as áreas."
Natural de Tombos, cidade da Zona da Mata mineira, Antônio Carlos admira a generosidade do povo da região serrana fluminense e receita perseverança para que esta rede de solidariedade não esmoreça. "A gente espera que não suceda o que acontece com frequência, que é todo mundo se mobilizar no início e depois se acostumar. Vai passando o tempo e todo mundo esquece. As próprias verbas prometidas às vezes não chegam, as administrações não cumprem o prometido. E isso é muito triste, porque o estrago foi muito grande."
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...